• Rio Claro: (19) 3533-5656
  • Santa Gertrudes: (19) 3545-0808

TGO

TGO

Solicitar Orçamento

Material: SORO

A AST ocorre numa vasta variedade de tecidos, entre os quais se incluem o fígado, músculo cardíaco, sistema musculoesquelético, cérebro, rins, pulmões, pâncreas, eritrócitos e leucócitos, com as mais elevadas atividades detectadas no fígado e no sistema musculoesquelético. A medição de AST encontra-se indicada no diagnóstico, diferenciação e monitorização de doença hepatobiliar, enfarte do miocárdio e lesão musculoesquelética. A medida de AST também pode ser executada como parte de exames de rastreio clínico. Em determinados casos, o AST pode ser útil na monitorização da evolução do enfarte do miocárdio. Em caso de suspeita de enfarte do miocárdio recente, o AST possui uma sensibilidade de diagnóstico de 96%, com uma sensibilidade de 86% a 12 horas após o aparecimento da dor no peito. Os níveis de AST podem ser aumentados na hepatite viral e doença hepática associada a necrose hepática, com o registo frequente de mais 20 a 50 elevações. A avaliação da atividade de AST relativamente ao ALT (Índice De Ritis; AST/ALT) constitui um indicador útil de lesões no fígado. Índices inferiores a 1,0 indicam lesão média do fígado e estão particularmente associados a doenças de natureza inflamatória. Índices superiores a 1,0 indicam doença grave do fígado, envolvendo habitualmente necrose. Podem ser detetados níveis aumentados de AST em situações de cirrose, colestase extrahepática, distrofia muscular progressiva, dermatomiosite, pancreatite aguda, doença hemolítica, gangrena, lesões por esmagamento muscular e embolia pulmonar. Podem ser também observados aumentos moderados dos níveis de AST após a ingestão de álcool ou da administração de drogas, entre as quais se inclui a penicilina, salicilatos ou opiáceos.

Instruções:

Não se aplica a prática de jejum para realização deste exame, salvo orientação médica,